Zelo e compromisso de voluntários na Central de Doações

Desde a última terça-feira, 19, quando teve início a força-tarefa com servidores do Fundo Manaus Solidária, Casa Militar e demais órgãos da Prefeitura de Manaus, a atenção em receber, identificar, organizar, separar e distribuir as doações vem marcando os trabalhos, na Central de Doações montada na Casa Militar, na Compensa, zona Oeste.

O balanço das doações já recebidas pelas equipes já soma mais de 127 toneladas de cestas básicas; 59.570 litros de água; 1.072 kg de leite em pó; 8.481l de leite integral; 10 mil kits de higiene; 6.210 pacotes de fraldas; 2.330 kits de roupas; 661 kits de calçados; 61 beliches; 51 camas boxes e 755 colchões.

“É um Natal diferente, de muita união. Nunca houve uma mobilização tão grande de partilha e doação. As secretarias estão caminhando ainda mais juntas e integradas em prol das famílias que foram atingidas pelo incêndio”, avalia a servidora da Secretaria Municipal de Parcerias e Projetos Estratégicos (Semppe), Eliana Gurgel, 44, uma das voluntárias na Central.

 

Organização

Na Central de Doações, montada nas dependências da Casa Militar, as equipes estão divididas por áreas como alimentos, itens de higiene, roupas; artigos de camas e montagem dos kits. A divisão de tarefas, além de otimizar os trabalhos, desde a chegada dos produtos, viabiliza o direcionamento correto é exato das doações até o seu destino final.

Para a presidente do Fundo Manaus Solidária e primeira-dama, Elisabeth Valeiko Ribeiro, é importante frisar o trabalho de doação e a seriedade com que é realizado pelos servidores da Prefeitura de Manaus e pelos voluntários que estão desde os primeiros dias trabalhando no processo com as doações. “É uma verdadeira força-tarefa,  uma grande rede de trabalho. Todas as secretarias e a população em geral estão envolvidas, até pessoas que não têm muito, fazem questão de trazer o pouco que têm. E tudo que chega aqui é tratado com muita seriedade e cuidado, passa por um processo de triagem, cadastro, controle de tudo que chega e sai”, ressalta a presidente do Fundo Manaus Solidária.

Com o sistema de divisão de tarefas e a triagem adotados, foi possível perceber que, apesar da chegada de vários itens para doação, há a necessidade de doação de alguns produtos ainda. Exemplo  são os itens que fazem parte da alimentação de bebês, como leites especiais e cereais. Há demanda para nestogeno, variantes do Ninho, Aptamil e outros itens similares. Ainda são necessários kits de higiene para bebês e roupas para os mesmos. Roupas para adultos não são mais necessárias. Outro item de utilidade é a toalha, cuja doação foi pouca. Além disso, a Central de Doações  reforça a necessidade de roupas íntimas novas para todas as idades.

“É um sentimento de satisfação estar ajudando o próximo. Nós, como prefeitura, por meio do nosso prefeito Arthur Neto, estamos doando o nosso tempo e trabalho em prol das vítimas desse triste incidente”, afirmou Gerusa Nunes, 37, servidora da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU).

Envolvidas também nessa força-tarefa, estão pessoas como Ronei Chaves, 18, voluntário da Igreja Batista do Sétimo Dia. “Nossa igreja nos pediu voluntários e, para  mim, está sendo muito bom poder estar aqui ajudando as pessoas. Eu não posso dizer como elas estão se sentindo diante de tudo que viveram, mas meu sentimento é de felicidade em poder estar ajudando, fazendo a minha parte”.

 

— — —

Texto: Síntia Maciel e Dário Sampaio / Semcom

Fotos: Karla Vieira / Manaus Solidária