Projeto que identifica o Autismo precoce é sancionado pelo prefeito de Manaus

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 70 milhões de pessoas no mundo todo possuem algum tipo de autismo. Pensando nesse grupo significativo da população, o vereador Elias Emanuel (PSDB), submeteu o projeto de lei n° 98/2018, que obriga a aplicação do questionário M-CHAT, nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e creches municipais da capital. A lei foi sancionada na última terca-feira (22) pelo prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto.

O questionário M-CHAT será aplicado aos pais ou cuidadores das crianças para ajudar na identificação dos sinais do Espectro Autista entre 18 a 24 meses de vida. A enquete é autoaplicável, simples, e apresenta alta sensibilidade e especificidade. O autor do projeto justificou que a aplicação do questionário, não vai gerar custos aos cofres públicos, já que possui um baixíssimo orçamento, além de não precisar ser administrado por médicos.

“Este projeto de lei é uma importante ferramenta para os pais no diagnóstico e tratamento do Espectro do Autismo. Quando diagnosticado de forma precoce, a criança passa a receber uma formação completamente direcionada. Vale lembrar que o questionário não causa nenhum tipo de dor”, reforçou o parlamentar.

A iniciativa do vereador partiu de uma solicitação da Sociedade Amazonense de Pediatria (SAPED), que ele prontamente atendeu. Fruto de um mandato compartilhado entre sociedade e instituições, segundo a doutora Elena Amaral, presidente da Saped a principal motivação foi a necessidade.

“O que motivou a SAPED, foi a necessidade de rastrear o diagnóstico precoce de crianças pequenas com sinais de transtorno mental e intervenções por equipes multidisciplinar de saúde e educação. O questionário do M-CHAT é instrumento de triagem para o TEA e outros transtornos, fácil de ser aplicado, adequado para faixa etária de 18 a 36 meses de vida, idade que as crianças estão nas creches municipais, oportunizando quase 100% destas que utilizarão deste recurso”, destacou Amaral.

Após a sanção da lei deve-se esperar os melhores resultados das intervenções e estimulações fazendo com que o seu tratamento seja mais eficaz, possibilitando uma melhor convivência no contexto social, educacional e familiar.

 

—-

Com informações da assessoria do vereador Elias Emanuel.

Foto: