Artistas utilizam ‘Natal do Abraço’ como ferramenta de inclusão aos imigrantes

As árvores da campanha “Natal do Abraço”, da Prefeitura de Manaus, espalham magia e mensagens de fé, amor e prosperidade em diversas áreas da cidade. Mas, para chegar ao resultado final, os projetos envolveram o trabalho de centenas de pessoas, comandadas por renomados e experientes artistas do Estado.

Segundo a presidente do Fundo Manaus Solidária, a primeira-dama Elisabeth Valeiko Ribeiro, idealizadora do “Natal do Abraço”, neste ano foram gerados mais de 150 empregos diretos e indiretos, temporários, para artistas plásticos, costureiras, eletricistas, soldadores e outros profissionais.

“Nossa intenção é espalhar pela cidade o espírito natalino, fazer com que as pessoas vivenciem o verdadeiro sentido do Natal e também promover a inclusão. E é isso que fazemos quando trazemos um coral de uma área distante para participar dos nossos eventos culturais, quando promovemos nossos almoços nas Cozinhas Comunitárias e quando damos oportunidade para que pessoas possam ter, ainda que temporário, meios de se manter e ajudar seus familiares que ficaram na Venezuela”, diz Valeiko, completando que para ela e para o prefeito Arthur a campanha é sinônimo de muita alegria.

Juarez Lima e Rosa dos Anjos, responsáveis pelas árvores da edição 2019, enxergaram no “Natal do Abraço” uma oportunidade de oferecer assistência a pessoas em situação de vulnerabilidade social. Aproximadamente 80 venezuelanos fizeram parte da montagem das árvores, estando presentes em todas as áreas de atuação, desde o transporte de material até a soldagem.

Essa inclusão permitiu que eles tivessem espaço para mostrar suas habilidades e, mesmo que nem todos eles fossem formados ou possuíssem um histórico profissional na função exercida nos projetos, a maioria já possuía algum tipo de ligação com soldagem, marcenaria ou outras técnicas empregadas na construção das árvores. Por conta disso, um processo de triagem foi realizado para identificar onde esses profissionais melhor se encaixariam.

Esperança e superação

 Carregadas de superação, as histórias dos imigrantes recém-chegados envolvem o sofrimento vivido por grande parte daqueles que saem de seu país em busca de uma melhor qualidade de vida. Três venezuelanos, que hoje trabalham ao lado de Juarez, realizaram uma longa jornada até chegar a Manaus. Sem condições para conseguir transporte, foram necessários 19 dias de caminhada entre Boa Vista e Manaus. Ao chegarem à capital, as dificuldades financeiras não terminaram e o trio de amigos pôde reencontrar a esperança por meio da oportunidade oferecida no “Natal do Abraço”.

“Percebemos que eles tinham uma vontade a mais, porque precisavam de recursos paras se manter e para mandar de volta ao seu país. Então, eles faziam sempre a mais do que eu pedia. Eles queriam mostrar as habilidades que em outro lugar eles não conseguiam. Com isso, eles ganharam visibilidade, respeito e dignidade. É uma enorme satisfação poder abrigá-los e tê-los em nossa equipe”, afirmou o artista Juarez Lima.

Inicialmente, Moises Camacho, 28, atuava no transporte dos módulos das árvores, mas após ganhar a confiança de Juarez, passou a exercer outras funções e assumiu o posto de liderança dentro do grupo de venezuelanos. “É muito importante termos esse tipo de oportunidade, porque existem pessoas que chegaram sem ter um lugar para morar, sem ter o que comer. Trabalhamos em um grupo de 80 venezuelanos e todas essas pessoas e suas famílias foram beneficiadas com esse projeto”, comentou o soldador.

Sustentabilidade

Além da atenção à questão social, os artistas que participaram do “Natal do Abraço” também não deixaram de lado a importância da sustentabilidade na concepção de seus projetos. Não por acaso, a árvore concebida pela artista Rosa dos Anjos, localizada na avenida Max Teixeira, ganhou o nome de “Árvore Sustentável”. O projeto, que tem como mensagem principal o incentivo ao consumo consciente, foi confeccionado com 60 mil garrafas PET, material que teve como origem a coleta seletiva realizada por cooperativas de catadores e moradores da cidade.

Nas árvores construídas por Juarez e sua equipe, as peças metálicas que sustentam as estruturas foram reutilizadas de ornamentos dos anos anteriores, visando não somente a reciclagem, mas também a diminuição de gastos.

— — —

Texto – Daniel Brito / Fundo Manaus Solidária

Fotos – Karla Vieira / Fundo Manaus Solidária

Disponíveis em – https://flic.kr/s/aHsmJZwXTg